Biofabricação de embalagens circulares

Share
biofabricação de embalagens

O termo biofabricação refere-se ao uso de materiais biológicos como bactérias, fungos ou algas para o desenvolvimento de novos materiais. Foi a partir dele que a designer Elena Amato desenvolveu um material feito de celulose bacteriana, 100% natural, compostável e vegano. O produto foi aplicado numa coleção de embalagens para cosméticos naturais de consistência cremosa chamada O ponto.

O material substitui os plásticos utilizados em embalagens de uso único, que geram alta quantidade de resíduos. A celulose da embalagem é produzida por uma colônia de bactérias e leveduras utilizada na fabricação da bebida probiótica chamada Kombucha.

 

Que biofabricação é essa

O material é compostável, de fonte renovável, rápido crescimento, vegano. Além disso, a biofabricação das embalagens consome pouca energia. É de baixo custo e utiliza processos low tech, facilitando o controle do trabalho justo e a geração de empregos nas localidades onde há a fabricação.

Os pigmentos naturais utilizados (açafrão, hibisco, spirulina e carvão) atribuem diferentes propriedades ao produto. O processamento e a secagem da celulose resultaram num material com características similares às do papel e do plástico. E a embalagem pode ser colada apenas com água, eliminando a necessidade de utilizar adesivos.

 

Desembalar menos, descascar mais

A frase “desembalar menos, descascar mais” foi usada como conceito para o desenvolvimento do produto. A ideia é que passe uma sensação tão natural quanto de uma fruta, simulando a estrutura suco-polpa-casca, a partir da ação de descascar a embalagem.

Os itens da coleção foram formados em um recipiente feito de sabonete para conter produtos cremosos e um envoltório feito de celulose bacteriana que protege o sabonete e contém as etiquetas com as informações do produto e da marca. A corda que conecta a etiqueta ao produto e as etiquetas também são feitas com celulose bacteriana.

Resultado circular

Os resultados de experimentações como essa entre design e biologia mostram o potencial da biofabricação como ferramenta para impulsionar a economia circular.

A biofabricação permite o desenvolvimento de novos materiais que possam circular infinitamente no ciclo biológico. É promissor perceber o crescente envolvimento de designers no desenvolvimento de novos materiais e produtos circulares por meio da biofabricação.

 

Outras aplicações

Além da biofabricação de embalagens, a celulose bacteriana é estudada principalmente pela área da moda para o desenvolvimento de materiais que possam substituir o couro. Também é usada em diversas aplicações como na elaboração de absorventes, luminárias, pratos descartáveis, capinhas de celular, embalagens de alimentos, entre outros.
Abaixo alguns projetos e designers que trabalham atualmente com celulose bacteriana.

Eles fora destacados por Elena, que foi quem nos forneceu todas as informações desse texto:
Elena Amato – Guatemala/Brasil

Silvio Tinello – Argentina

Ellen Rykkelid – Noruega

Karu – Argentina

Roza Janusz – Polônia

Biology Studio – México

Emma Sicher – Italia

Suzanne Lee – New York

Labva – Chile

Quer saber mais sobre economia circular?

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo a postagem
NOVO CURSO

Sustentável ou circular?

Como fazer diferente, com critérios e com alegria!

Neste curso pioneiro, você vai exercitar um novo olhar para os desafios da sustentabilidade, com inspiração e critérios para desenhar um futuro circular e regenerativo, celebrar nossa presença neste planeta e nosso poder de transformação!

Deixe seus dados para entrar na lista de interesse e ficar sabendo assim que abrirem as inscrições.