gugler* se torna Cradle to Cradle: é assim que a natureza imprimiria

Share
“UM_BAU 28”, impresso pela gugler*, ganhador do prêmio de design dos “mais belos livros alemães” de 2016 pela Stiftung Buchkunst. (Fonte: Print the Change)

A austríaca gugler* foi pioneira em produzir produtos impressos 100% degradáveis e seguros. O processo convencional de reciclagem de papel só é capaz de aproveitar 60% em volume do material, visto que tintas de impressão e outros aditivos acabam gerando um resíduo tóxico que não pode ser reciclado. Todo ano são produzidas milhões de toneladas deste resíduo como um subproduto da reciclagem.

Além disso, o papel não pode ser reciclado indefinidamente, pois as fibras de celulose ficam mais curtas a cada processo, inviabilizando a qualidade do papel após 6 ou 7 ciclos de reciclagem. Deste modo, o papel não pode ser considerado exatamente como um nutriente técnico. As fibras seriam um excelente nutriente biológico desde que não tivessem contaminadas com aditivos que nunca foram projetados para retornar à biosfera.

Tendo em vista este desafio, a empresa gugler* dedicou 2 anos de pesquisa e desenvolvimento até em 2011 ser a primeira do mundo a ganhar o certificado Cradle to Cradle® para produtos impressos. A linha de produtos C2C da empresa, denominada PurePrint, com base em uma seleção rigorosa de componentes químicos seguros que abrange o papel, aditivos e tintas de impressão, oferece uma variedade de possibilidades de impressão off-set: folhetos, brochuras, cadernos, revistas, cartões, posters, etc. As tintas são à base de água e matérias-primas renováveis como ceras e resinas naturais, provenientes de plantações geridas de forma sustentável.

Como a gugler* explica seus produtos através da analogia com uma árvore: todos os resíduos retornam ao solo como nutrientes. Fonte: C2C Centre

“É assim que a natureza imprimiria” – A imagem que ilustra o ciclo dos produtos C2C da empresa não poderia ser mais adequada: uma árvore (figura acima). Da mesma forma que a árvore utiliza recursos do solo para o seu desenvolvimento e devolve ao solo seus resíduos como nutrientes para o próprio solo, a produção de materiais impressos – que utiliza árvores como matéria-prima, também pode devolver nutrientes ao solo. De fato, existem três destinos possíveis para os produtos C2C da gugler*: podem ser reciclados (o papel é reciclado e as tintas viram adubo), diretamente compostados (tanto o papel como a tinta viram adubo) ou incinerados com produção de cinzas (que viram adubo). O que seria um problema ambiental torna-se então alimento para o solo.

Colaboração: Suzan Moreno

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo a postagem

[livro gratuito] 28 estudos de caso:
design e inovação para a economia circular no Brasil e no mundo