Isso não é design circular

Share

Muito do que é atualmente proposto para o design de produtos e gerenciamento de resíduos urbanos pode ser repensado à luz dos princípios C2C. Muitas vezes ideias bem-intencionadas se mostram soluções pouco efetivas para as cadeias em que se encontram inseridas, e podem acabar mesmo perpetuando ou agravando os problemas que se propõem a resolver.

A intenção da coluna ‘Isso não é’ não é a de denegrir arbitrariamente produtos ou processos, mas sim exercitar um novo olhar sobre o que vem sendo considerado como ‘sustentável’ ou ‘ecológico’, a partir do novo entendimento trazido pelos princípios C2C. Esse paradigma propõe a distinção entre medidas eficientes – medidas de redução, minimização e compensação, prevalentes nas estratégias de sustentabilidade atuais – e medidas efetivas, que visam não apenas minimizar os danos, mas também rever propósitos e otimizar ganhos em direção a um efeito positivo. Como propõem os autores, ser ‘menos mau’ não é o mesmo que ser bom.

O desafio é discernir entre abordagens eco-eficientes, que minimizam danos porém mantêm intacta a lógica linear de produção, e propostas efetivas para o estabelecimento de processos circulares em que o valor de produtos, componentes e materiais seja aproveitado ao máximo através de diversos ciclos de produção e uso ou consumo.

saiba mais:

‘O que é C2C?’

‘O que é Economia Circular’

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo a postagem

[livro gratuito] 28 estudos de caso:
design e inovação para a economia circular no Brasil e no mundo