Pátios de compostagem em SP

Share
Produtos de pátios de compostagem em São Paulo

Desde setembro de 2015 funciona o primeiro dos atuais quatro pátios de compostagem na cidade de São Paulo, na Lapa. O pátio piloto foi criado para evitar que resíduos orgânicos (frutas, legumes e verduras) coletados nas feiras livres de São Paulo sejam descartados em aterros sanitários. Pelo contrário, a ideia é que o material seja compostado e transformado em adubo, retornando como nutriente para a terra.

Um ano após o seu início, o projeto duplicou o seu alcance e passou a receber os restos de mais 24 feiras das regiões de Pinheiros, Casa Verde, Pirituba e Jaraguá, Freguesia do Ó e Brasilândia. São aproximadamente 60 toneladas de resíduos compostados semanalmente no pátio da Lapa, desde 2016.

No ano de 2018, o projeto cresceu. Foi quando a prefeitura inaugurou o pátio de compostagem da Sé. Com 2.800 metros quadrados, inaugurado em setembro, o local tem capacidade de receber cerca de até 30 toneladas diárias de resíduos das feiras do centro e do Mercado Central.

Novos pátios

Já em novembro do mesmo ano, houve o lançamento do pátio de compostagem da Mooca. Graças a esse projeto, junto com a Sé, a previsão é de que anualmente 2,8 mil toneladas de resíduos orgânicos deixem de ir para aterros sanitários e se tornem adubos.

O último pátio da cidade a ser inaugurado foi o pátio São Mateus, que começou a operar no dia 19 de dezembro de 2018. Lá também os resíduos das feiras locais serão transformados em composto orgânico de qualidade, ideal para adubar a terra. Vale dizer que o material de todos os pátios é distribuído gratuitamente para moradores e feirantes.

O processo de compostagem dos restos de feiras livres diminui o custo de operação de praças e jardins, assim como evita o despejo de mais volume em aterros sanitários – e ainda diminui o deslocamento de caminhões e consequentes emissões de dióxido de carbono.

Como é feita a compostagem

Para tratar os restos de feiras, os pátios utilizam o sistema de compostagem termofílica em leiras estáticas com aeração natural, conhecido como método UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). As leiras são formadas pela deposição alternada de restos frescos (verduras, frutas e legumes coletados nas feiras) com uma deposição de poda de jardins e palha. Ali é criado um ambiente adequado para microorganismos trabalharem na fabricação do adubo, que fica pronto em cerca de 120 dias.

Atualmente, os resíduos orgânicos formam a maior parcela do lixo comum. Sua separação desde o consumo – casas, feiras, mercados e restaurantes – e o tratamento local e descentralizado são fundamentais para avançar na redução da contaminação do meio ambiente e colaborar para a transição rumo a um modelo circular, em que  resíduos orgânicos se tornam nutrientes para o ciclo biológico.

Veja o endereço dos pátios de compostagem em São Paulo:

Lapa: Avenida José Maria de Faria, n° 487 – Lapa de Baixo.
Sé: Avenida do Estado, n° 3330 – Canindé.
Mooca: Rua Cirino de Abreu, n° 456 – Guaiauna.
São Mateus: Rua Forte de Araxá, n° 409 – Parque São Lourenço.
Fonte e fotos: Prefeitura de São Paulo.

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo a postagem

[livro gratuito] 28 estudos de caso:
design e inovação para a economia circular no Brasil e no mundo